O país cabe aqui.

MESCTI apresentou diagnóstico do Ensino Superior em Benguela

0
Notícias de Angola

O Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação (MESCTI), lançou na segunda-feira, na província de  Benguela, o “Diagnóstico do Subsistema do Ensino Superior”, divulgados pela primeira vez em Luanda, acto que decorreu na Universidade Katyavala Bwíla.

Segundo o comunicado que o Notícias de Angola teve acesso hoje, de acordo com a ministra Maria do Rosário Bragança o seminário dirigido à região centro-sul do país teve como objectivo ampliar o diálogo tendente a “construção de uma estratégia de longo prazo para o Ensino Superior, com base nas opiniões, conselhos e pareceres de todas as partes interessadas a nível nacional”.

A nota refere que durante a sessão, abordaram-se, assim, os principais resultados da análise do subsistema do ensino superior, feita com apoio do Banco Mundial. Quanto a acesso e equidade, à semelhança dos seus colegas na capital angolana, as partes interessadas do centro, sul e leste do país constataram que a taxa de escolarização no ensino superior é de apenas 9%, o que representa apenas 9,8% dos estudantes que estão no ensino secundário.

A consultora, Gorete Capilo Leitão, informou também que as Instituições do Ensino Superior (IES) públicas representam apenas 32% das IES existentes e possuem 40% dos estudantes. A eficácia do subsistema situa-se na ordem dos 9%, sendo que as mulheres possuem uma eficácia relativamente maior que os homens (diferença de 1%), apesar de serem em menor número em todo o subsistema. O maior fosso de género verifica-se nas IES públicas, onde 66% dos matriculados são do sexo masculino. “É um indicador que sinaliza a predominância dos homens, mas onde as mulheres são muito mais eficientes”, resumiu Gorete Leitão.

Na mesma conformidade, o Reitor da Universidade Katyavala Bwila, Albano Ferreira, explicou que em Benguela os estudantes do sexo masculino predominam, à excepção do curso de Medicina. Atribuiu a disparidade entre homens e mulheres no ensino superior a questões de ordem social e cultural tais como “educação sexual, gravidez precoce” ou o “fraco incentivo às mulheres para progredirem em carreiras profissionais, sobretudo nos meios rurais”.

O diagnóstico revela também que a maior oferta formativa está essencialmente voltada para cursos não STEM (Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemáticas), área de formação que representa apenas 10% do total das graduações, entanto, formações que são fundamentais para os desafios de desenvolvimento do país.

Por outro lado, a  directora Geral do Instituto Superior Técnico de Administração e Finanças, Carla Queiroz, considerou este factor relevante para definir a estratégia para o ensino superior mas vincou que há que atender ao problema desde a raiz, considerando os “desequilíbrios e desalinhamentos entre os vários subsistemas de ensino”. Carla Queiroz apontou que “24% das crianças em idade de estarem na primária continuam fora do sistema de ensino”, o que diz que “há que fazer a correlação entre os estudantes que estão dentro do ensino superior e os que estão fora do sistema”, desde o ensino base.

Os dados disponíveis até 2019, indicam ainda que existem no subsistema de ensino superior 11 433 docentes, sendo 40,3% ligados às IES públicas. Destes, 59% são licenciados, 36% mestres e 11% doutores. Por outra, os dados indicam ainda que grande parte dos docentes exercem o magistério em regime de colaboração, em tempo parcial (63%).

já responsável do INAAREES admitiu também que os desafios em termos de qualidade deste subsistema de ensino “são grandes, com a proliferação de novas IES, a oferta desordenada de cursos, rápido crescimento de estudantes”, mas “é preciso inovar, ser transparentes e ter legitimidade académico-científica para assegurar a qualidade das instituições”.

Conforme Alfredo Gabriel Buza, Professor Catedrático no Instituto Superior de Ciências de Educação em Luanda, reforçou a importância deste ponto. “Temos pouco dinheiro sim, gostaríamos de ter mais, mas a nossa realidade é essa. Há um esforço para melhorar. O MESCTI fez o seu trabalho, termina a legislatura criando os instrumentos necessários para que cada um de nós, nas instituições de ensino superior, possamos fazer a fiscalização in situ, para que se faça uma execução adequada dos fundos que nos são atribuídos”.

A radiografia ao ensino superior em Angola, apresentada este mês em Luanda e Benguela é parte do processo de diálogo com os diferentes actores para a elaboração do Livro Branco do Ensino Superior, iniciativa que o MESCTI e o Banco Mundial lançaram em Janeiro passado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies