O país cabe aqui.

Líder do MPLA resguarda aposta na melhoria das condições sociais do país

0
Notícias de Angola

Notícias de Angola – O candidato e líder do MPLA a Presidente da República, João Lourenço, defendeu nesta segunda-feira, mais trabalho para colocar o país no caminho de desenvolvimento.

No tempo de antena do seu partido, na Rádio Nacional de Angola (RNA), João Lourenço abordou os cinco anos da sua  governação, entre 2017 e 2022, tendo sublinhado que, em todas as províncias, milhares de angolanos trabalham para colocar o país no caminho do desenvolvimento.

No seu entender, a tarefa para o futuro que se quer ainda tem o tamanho do país, mas disse ter a certeza que, com mais desenvolvimento, “lá se pode chegar”. 

“Estamos a construir um país mais igual, mais justo e mais próspero. Angola que Agostinho Neto sonhou é pela qual lutamos, é hoje uma obra em andamento”, enfatizou. 

Respondendo a questão se quer ser novamente Presidente da República, João Lourenço afirmou que “dispõe de energia suficiente para continuar a servir Angola e os angolanos”. 

Sobre o desemprego e possíveis soluções, o presidente do MPLA afirmou também sofrer com as pessoas, razão pela qual o seu Executivo concebeu o Programa de Transferências Monetárias “Kwenda”, que beneficia as famílias que mais sofrem, sem o básico para viver o seu dia-a-dia. 

João Lourenço realçou igualmente a diversificação da economia e o empoderamento do sector privado, reconhecendo que “o sofrimento das pessoas, na sua grande maioria, minimiza-se se as pessoas tiverem, pelo menos, emprego”.

No seu tempo de antena, o MPLA abordou os projectos realizados e em curso em várias regiões no país, com destaque para o Canal do Cafu, na província do Cunene, que visa combater à seca no Sul do país.

O empreendimento, numa extensão de 160 quilómetros, leva água, a partir do rio Cunene, gerando três mil 275 empregos directos e está a beneficiar mais de 235 mil pessoas. 

Outro projecto destacado é o do Porto de Cabinda, que contempla um novo cais, que permitirá a atracagem de navios de grande porte, além da criação de pelo menos mil e 500 novos empregos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies