O país cabe aqui.

II Fórum de Reflexão da UA recomenda rigor na implentação da agenda 2063 

Notícias de Angola – O Segundo Fórum de Reflexão da União Africana sobre as Mudanças Inconstitucionais de Governo em África, realizado em Accra, capital do Ghana, recomendou a implementação rigorosa da Agenda 2063, denominada “A África que Queremos”.

Tal será através da sua domestificação pelos Estados-Membros, face a almejada contribuição para a promoção do Estado de Direito, o Constitucionalismo, a Democracia e a boa governação no continente.

Angola participou no evento com uma delegação chefiada pelo Representante Permanente junto da União Africana, Embaixador Miguel Bembe, integrando o Embaixador na República do Ghana, João Quiosa.

A informação consta de uma nota da Embaixada de Angola na República Federal Democrática da Etiópia, República do Djibouti, Estado da Eritreia, República do Sudão e Missão Permanente junto da União Africana e Unesco, chegada, hoje, ao NA.

O Fórum reconheceu ainda a necessidade da aplicação dos instrumentos jurídicos já existentes na resposta às Agencia Multilateral de Garantias de Investimentos, MIGA (sigla em inglês), nomeadamente a Carta Africana sobre a Democracia, Eleições e Governação, a Declaração de Lomé de Julho de 2000 e a Arquitectura de Governação Africana (AGA).

Reflectiu sobre a governação e os dividendos da paz e analisou as estratégias, ferramentas e soluções sustentáveis para salvaguardar a democracia em África.

Recomendou também a implementação do Mecanismo de Suporte às Transições Inclusivas, lançado pela União Africana (UA) e pelo PNUD à margem da 5ª Reunião de Coordenação Semestral da organização continental, ocorrida em 15 de Julho de 2023 em Nairobi, capital queniana.

Apelou para o reforço de medidas eficazes para desencorajar e inviabilizar o funcionamento de governos formados com recurso à força militar e/ou a manipulação das normas universalmente aceites.

O fórum considerou que o flagelo da fome e da miséria instigam problemas sociais em África, tendentes a desencadear a insegurança e os confitos armados, as migrações forçadas da população, o afastamento do investimento estrangeiro e o aumento do desemprego, entre outros.

Comentários estão encerrados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies