O país cabe aqui.

“É preciso criar uma cadeia positiva de conhecimento”, defende júri dos Prémios Tigra

0

Notícias de Angola – O empreendedor Mauro Sérgio foi a cara da categoria Ciência e Tecnologia e Mundo Digital nas duas edições dos Prémios Tigra Nova Garra.

Intimamente ligado ao mundo tecnológico, o também fotógrafo destaca a importância de valorizar o talento nacional e de apoiar os jovens com garra, para gerar uma cadeia positiva de transmissão de conhecimento.

Por….

“Quando comecei a fotografar, a dado momento uma pessoa insistiu que deixasse o telemóvel e me dedicasse a sério à fotografia. Empenhou-se em guiar-me e até me ajudou a conseguir equipamento adequado e a ter formações.” Mauro Sérgio, na primeira pessoa.

Aos 33 anos, o empreendedor e fotógrafo recorda esse “apoio desinteressado” como “crucial” para começar uma “carreira tardia”, mas que o converteu num dos fotógrafos angolanos mais destacados da actualidade. A participação no recente projecto “Kwando”, da National Geographic, mereceu-lhe rasgados elogios a nível internacional.

Segundo Mauro Sérgio, esta história pessoal recorda-lhe “o espírito de valorização e apoio aos talentos que caracteriza os Prémios Tigra Nova Garra”, nos quais foi júri da categoria Ciência & Tecnologia & Mundo Digital nas duas edições (2021 e 2022). “Iniciativas destas geram uma cadeia de transmissão de conhecimento e reconhecimento. Um jovem a quem ajudam hoje, vai ajudar alguém mais amanhã, criando uma dinâmica de valorização e interajuda muito positiva”, comenta. Por outro lado, diz, “ao dar visibilidade a novos talentos, os Prémios ajudam a criar referências que inspiram outras pessoas a ser cada vez melhores e isso é importantíssimo num país como o nosso, com um défice de modelos a seguir.”

Fiel defensor da “importância do impacto social dos projectos”, o especialista em tecnologia indica que, “nas duas edições dos Prémios Tigra Nova Garra”, procurou “destacar iniciativas com uma vertente importante de educação das comunidades”. A escolha dos nomeados pressupunha uma mensagem concreta: “A tecnologia é apenas um meio, não um fim. Não podemos pensar apenas em criar o próximo produto, temos que olhar para o lado e ver quais são os problemas das comunidades e trabalhar para resolvê-los”.

Terminadas as galas, Mauro Sérgio mantém o contacto com nomeados e com os dois vencedores da sua categoria: o criador da plataforma Explore Angola, Usiel Gonçalves (2021), e Elisa Capololo, líder do projecto Women Techmakers Luanda (2022). “É importante que saibam que não estão sozinhos”, seguindo “o espírito de mentoria que caracteriza os Prémios”, que inclui também a iniciativa Tigra Cubs Bootamps.

No futuro, Mauro Sérgio defende “a participação de mais estudantes nos Prémios Tigra Nova Garra”, não só “pelo prestígio”, mas também “como forma de fomentar a concorrência”. “A concorrência é um dos principais pilares de desenvolvimento, mas em Angola muitos a evitam e isso é uma grande barreira para que possamos avançar como país”, considera.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies