O país cabe aqui.

BRICS+: Um alargamento impressionante

Por: Isidouro Karderinis

Na madrugada de 2024, a partir de 1º de janeiro, mais cinco países tornaram-se membros plenos do BRICS, associação transnacional, que até então era composta por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e assim passaram a ser BRICS+ (BRICS Plus), totalizando dez países.

O Egito, localizado no nordeste da África e parcialmente na Península do Sinai, que é um istmo para o sudoeste da Ásia, o que o torna um país transcontinental, é considerado uma grande potência no Norte da África, no Mar Mediterrâneo, no mundo islâmico e no Mar Vermelho. Um populoso -com 104,5 milhões de habitantes-país árabe histórico com uma longa e riquíssima herança cultural e ao mesmo tempo o país militar mais poderoso da África que controla o estratégico Canal de Suez. O Egipto também possui enormes reservas de gás natural, estimadas em 2.180 quilómetros cúbicos e o gás natural liquefeito egípcio é exportado para muitos países.

A Etiópia é um país localizado no Chifre da África, no extremo leste do continente africano. Com uma população de 107,5 milhões de habitantes, segundooficialestimativa para 2023, é o estado mediterrâneo mais populoso do mundo. Um país pobre mas em rápido desenvolvimento e com grande peso geoestratégico em África, que além da sua produção agrícola que contribui com 41% do PIB, também possui os maiores recursos hídricos de todo o continente. A Etiópia é o maior produtor de café da África e o segundo maior produtor de milho.

O Irã é um país do Oriente Médio no sudoeste da Ásia. Tem uma população de 88,5 milhões de acordo com a estimativa média das Nações Unidas para 2022. O Irão é considerado uma grande potência regional e ocupa uma posição de destaque em questões de política energética e economia global, principalmente devido às suas grandes reservas de petróleo e gás natural. O Irã foi o oitavo maior país produtor de petróleo do mundo no ano de 2022, com 3.822.000 barris por dia. Ao mesmo tempo. possui forças armadas fortes e um grande corpo científico, estacionados em partes importantes do planeta, como o Mar Arábico e o Golfo Pérsico.

A Arábia Saudita é um país da Península Arábica, ocupando a maior parte dela, cerca de 80%, e que é banhado pelo Golfo Pérsico a nordeste e pelo Mar Vermelho a oeste. Segundo uma estimativa oficial para 2022, a sua população é de 32,2 milhões de habitantes, 30% dos quais são cidadãos não sauditas (estimativa de 2013). A economia da Arábia Saudita baseia-se no petróleo, de onde provêm aproximadamente 75% das receitas orçamentais e 90% das exportações. A Arábia Saudita no ano de 2022 ficou em segundo lugar no mundo, depois dos EUA, com uma produção de 12.136.000 barris por dia e detém 17% do total das reservas comprovadas de petróleo em escala global.

Os Emirados Árabes Unidos, abreviados como EÁU, são um estado federal composto por sete emirados, no extremo sudeste da Península Arábica. Os Emirados Árabes Unidos são banhados pelo Golfo Pérsico e pelo Golfo de Omã e fazem fronteira com a Arábia Saudita e o Sultanato de Omã. Têm uma população de 9,3 milhões de acordo com uma estimativa oficial para 2020. O país é rico em depósitos de petróleo e gás natural e a sua população desfruta de um rendimento comparável ao dos países ocidentais desenvolvidos. Os Emirados Árabes Unidos foram o sétimo maior país produtor de petróleo do mundo no ano de 2022, com 4.020.000 barris por dia.

Quanto à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos, que estão entre os países mais ricos em termos de PIB per capita, continuaram a registar crescimento económico apesar das incertezas globais, incluindo taxas de juro elevadas, inflação e tensões geopolíticas, à medida que se concentram na diversificação das suas economias.

A economia da Arábia Saudita cresceu, segundo o FMI, 8,7% em 2022 – a maior taxa de crescimento anual entre as 20 maiores economias do mundo – e apenas 0,8% em todo o ano de 2023. Por outro lado, a economia dos Emirados Árabes Unidos cresceu 3,4%. % em 2023, com o PIB petrolífero a crescer 0,7% e o PIB não petrolífero a 4,5%, apoiado por fortes desempenhos no turismo, imobiliário, construção, transportes, indústria transformadora e pelo aumento das despesas de capital.

Com esta entrada, portanto, o grupo, que aparece como força rival no G7, expande-se agora no Médio Oriente e inclui no seu seio os países, aliados tradicionais do Ocidente, que agora manifestam tendências à autonomia e, claro, controlam uma grande parte da produção mundial de hidrocarbonetos, aumentando ainda mais a solidez financeira do grupo.

Assim, os países BRICS+ representam colectivamente agora 45% da população mundial com aproximadamente 3,5 mil milhões de pessoas, um terço da superfície sólida da Terra, 44% da produção global total de petróleo, bem como quase 1/3 do PIB global, totalizando aproximadamente 29 triliões de dólares, tendo ultrapassado em termos de paridade de poder de compra o G7, o grupo das sete economias mais poderosas do mundo desenvolvido.

Ao mesmo tempo, há pelo menos trinta outras nações do mundo em desenvolvimento que já manifestaram um grande interesse em aderir ao grupo. Entre estes países estão a Argélia, o Congo, a Bolívia, a Venezuela, a Indonésia e o Cazaquistão, que não são países ricos, mas possuem uma enorme riqueza mineral e gostariam muito de se libertar do laço das corporações multinacionais ocidentais e do dólar.

Assim, neste sentido, os países do grupo BRICS criaram o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) desde 2014, enquanto grande parte do comércio entre eles é feito em moedas nacionais e não em dólares. Estão também a avançar com discussões e elaborações sobre a criação de uma moeda comum (atrasadas, no entanto, pelas objecções indianas). E ainda buscam soluções alternativas de transações internacionais contra o SWIFT. Como resultado, todos estes movimentos em curso conduzem gradualmente a uma desdolarização do sistema económico global.

Na próxima cimeira do BRICS+, a realizar em outubro de 2024, em Kazan, capital do Tartaristão, cidade russa localizada na confluência dos rios Volga e Kazanka, na Rússia centro-europeia, outros países-gigantes da energia-podem se juntar ao grupo e isso terá como efeito aumentar o controlo do mercado global de energia dos 40% que é hoje para uma percentagem superior.

Para terminar, gostaria de sublinhar que a expansão do grupo BRICS está a causar turbulência nos países do Ocidente e sobretudo nos EUA, que prosseguem com reacções instintivas, com a mera ideia apenas da perda definitiva da sua liderança global, e é um verdadeiro marco rumo ao inevitável curso histórico de formação de uma nova ordem mundial intercontinental, um mundo policêntrico.

Isidoros Karderinis nasceu em Atenas em 1967. É romancista, poeta e colunista. Estudou economia e completou estudos de pós-graduação em economia do turismo. Com artigos publicados em jornais, revistas e sites de todo o mundo. Seus poemas foram traduzidos para o inglês, francês e espanhol e publicados em antologias de poesia, revistas literárias e colunas literárias de jornais.

Publicou oito livros de poesia e três romances na Grécia. Seus livros foram traduzidos e publicados nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália e Espanha.

Comentários estão encerrados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies