O país cabe aqui.

Amadeu Cassinda: Comunicação Social não é só Jornalismo

2

Por: Amadeu Cassinda


Quando ingressei ao ensino superior no curso de Jornalismo em 2011 99, 9% da turma alegava ter optado pela área para ser apresentador, pivô, repórter, etc., ou seja, para fazer jornalismo.

Terminada a formação, em 2014, surgiu a necessidade de trabalhar no sector. Remetidas inúmeras solicitações de estágio a diversos media, não tive êxito. Contudo, nos mesmos órgãos já havia estagiários que há longos meses, inclusive anos não recebiam sequer algum incentivo. Situação desencorajadora, as minhas espectativas estavam goradas.

Face a estes entraves, que alternativa o estudante ou o recém-formado em Comunicação Social deve optar para deixar escapar a pressão da família e do anelo de exercer o que aprendeu durante os penosos e dispendiosos anos de formação?

Na faculdade tive a cadeira de comunicação institucional que não me ajudou muito, confesso. Porém, deu-me alguns feixes de luz sobre o infinito mundo da comunicação empresarial, nascendo assim a febre pela pesquisa no ramo.

No Brasil a comunicação empresarial é a área que mais emprega jornalistas. “O setor de comunicação institucional representa hoje mais de 40% do mercado de jornalismo, estimado em 60 mil jornalistas com registo profissional” (TAVARES E TOLEDO, 2004).

Cá, o Decreto Presidencial 3/18, que aprova a estrutura do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa para apoio técnico nos Departamentos Ministeriais, Governos Provinciais e demais Serviços da Administração Pública, surge como oásis para saciar os anseios de quadros formados nas mais diversas áreas da comunicação.

Estes poderão ver também os seus anseios gorados se pensarem só em fazer jornalismo, sendo certo que os media existentes não são capazes de absorver todos quadros que as universidades colocam anualmente no mercado.

Pelo que, a todo estudante do sector apelo a pensarem nesta área da comunicação ainda promissora no mercado angolano. As universidades devem igualmente procurar alinhar os seus planos curriculares dos referidos cursos à realidade do mercado angolano.

Ao Ministério da Comunicação Social o apelo vai no sentido de avaliar e propor a possibilidade criar um plano de recrutamento por meio de concurso público regular a nível nacional para a ocupação dos referidos Gabinetes por quem tem formação na área, é justo.

Amadeu Cassinda – é Licenciado Jornalismo pelo Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola (IMETRO), Deu voz ao programa Mais Comunicação, da Emissora Metodista de Angola (Rádio Kairós). Actualmente trabalha no Gabinete Comunicação Institucional da Imobiliária Imogestim.

Os artigos de opinião publicados no Notícias de Angola são da inteira responsabilidade do seu autor. O NA não se responsabiliza por quaisquer danos morais ou intelectuais dos textos em causa, confiando no rigor, idoneidade e credibilidade dos seus autores.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies