O país cabe aqui.

TPA 1 e 2 passam a ser gratuitas nas operadoras de distribuição de sinal por assinatura

0

Por: Victória Pinto 

Os Ministérios da Comunicação Social e das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, anunciaram hoje segunda-feira (30/12), a disponibilização obrigatória e gratuita dos canais públicos nas operadoras de distribuição de sinal por assinatura. 

O acordo permite que os canais do operador de televisão concessionário do serviço público, atribuído a Televisão Pública de Angola  (Artigo 66° da Lei de Imprensa) de acordo com a Lei n° 1/17 de 23 de Janeiro  (Lei de Imprensa – Artigo 67°) e da Lei n° 3/17 de 23 de Janeiro  (Lei sobre o Exercício da Actividade de Televisão – Artigo 50°), passaram a ser transmitido gratuitamente nas operadoras Multichoise, Zap e TV Cabo.

Os subscritores que têm pelo menos seis meses de subscrição paga, desde a data de 01 de Novembro de 2019, terão acesso gratuito ao sinal dos canais 1 e 2 da TPA, por período de três meses, contra o  pagamento de um mês de subscrição; Os subscritores que aderiram aos serviços das operadoras após o dia 01 de Novembro do corrente ano, poderão ter acesso aos benefícios, depois de seis meses de subscrição paga; As regras de benefícios do acesso gratuito aos canais de serviço público aplicam-se ao pacote de menor preço de cada operadora.

Francisco Ferreira, Director da TV Cabo, garantiu que a operadora fornecerá o serviço totalmente gratuita, conforme anunciado. 

“O Ministério da Comunicação Social e das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, criaram mecanismos que nos permitem oferecer aos clientes serviço público TPA 1 e 2 mediante as condições apresentadas. E isso tem custos, porque as empresas fazem investimentos, mas isso foi analisado pelos dois ministérios e o fazemos num aspecto social”.

Por sua vez, a Directora Jurídica da Multichoise, Nair Pitra, destacou que sai satisfeita pois existem questões que já foram discutidas com o Governo de Angola.

“Não haverá violações neste acordo, nós somos parceiros estratégicos e uma empresa idónea e não vemos necessidade de violar este acordo. Estamos satisfeitos no sentido de conseguir junto com o governo chegar à um consenso”.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies