O país cabe aqui.

Sociedade avalia negativamente as declarações do ex-presidente através das redes sociais

Notícias de Angola

Fonte: Angop


A sociedade angolana, através das redes sociais, está a avaliar muito negativamente a declaração do ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que tentou, na quarta-feira, justificar a forma como deixou as finanças públicas.

O antigo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, negou, nesta quarta-feira, em Luanda, que tenha deixado “os cofres do Estado vazios”, quando saiu do poder, em Setembro de 2017.

Numa Declaração à imprensa, sobre a forma como conduziu a coisa pública, durante os seus 38 anos de mandato (1979-2017), esclareceu que deixou USD mais de 15 mil milhões nas contas do Banco Nacional de Angola (BNA), como reservas internacionais líquidas (RIL).

Para alguns internautas, o primeiro erro grave do antigo do Chefe de Estado angolano foi o de ter confundido reservas internacionais líquidas com os dinheiros dos cofres do Estado.

Um dos internautas interroga-se, a propósito, se não se está perante uma “manipulação das mentes menos esclarecidas”, uma vez que o cofre vazio é o gerido pelo Tesouro Nacional, cujos recursos provém das arrecadações de taxas e impostos.

Quanto às reservas internacionais líquidas, o internauta explica que, ao contrário dos valores arrecadados através das taxas e impostos para fazer face ao OGE, têm a função de estabilizar a balança de pagamentos (importações versus exportações).

As mesmas reservas, ainda segundo o mesmo cidadão, servem também para custear as importações, equilibrar as taxas de câmbio, o pagamento das obrigações com o exterior, dar garantias ao investidor estrangeiro sobre a estabilidade do sistema financeiro, entre outras funções, que José Eduardo dos Santos ignorou.

“Aconselhe-se bem e deixe de confundir as opiniões”, remata o internauta, que se confessa estar “desiludido” com José Eduardo dos Santos.

Esta mesma desilusão é expressa por um outro internauta, que escreve:”A trajectória de JES tem uma dimensão histórica bipolar. Ele foi, sim, um bom líder para Angola numa determinada etapa, mas, depois, revelou-se o desastre dos últimos anos do seu mandato, que vieram ofuscar e manchar irremediavelmente o todo do seu percurso político”.

Esse mesmo cidadão acrescenta que “JES falhou no crítico momento de meter a cereja no cimo do bolo”. Acrescenta que “Angola tinha tudo para dar certo, mas as suas opções estratégicas, egoístas e anti-patrióticas, sobretudo a partir de 2003/4, foram desastrosas para o presente e o futuro deste povo”.

“É doloroso reconhecer, mas as consequências perante a História são incontornáveis!”, termina o cidadão na sua demolidora avaliação.

Um outro internauta diz que o pronunciamento de José Eduardo dos Santos tem como único objectivo “garantir a impunidade”, além de pretender “descredibilizar” o novo Executivo, o Presidente da República e o Presidente do MPLA.

Comentários estão encerrados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies