O país cabe aqui.

Mundo precisa de 900 mil parteiras para melhoria na saúde materno-infantil

0
Notícias de Angola

Redacção NA

Por ocasião do 5 de Maio, efeméride que marca o “Dia da Enfermeira Parteira”, foi revelado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Agência de Saúde Sexual e Reprodutiva da ONU (UNFA) e Confederação Internacional de Parteiras (ICM), uma escassez destas especialistas, quando o mundo precisa de 900 mil parteiras para se melhorar a saúde materno-infantil.

A escassez mundial de enfermeiras parteiras é de 900 mil profissionais e o investimento em formação até 2035 evitaria cerca de dois terços das mortes maternas, de recém-nascidos e nados-mortos, salvando um total de mais quase 4 milhões e meio de vidas por ano.

Um relatório anual da OMS, UNFA e ICM, apontou que morrem todos os anos milhões de mulheres e recém-nascidos por falta de assistência especializada e são também milhões os que sofrem problemas de saúde ou lesões, porque as necessidades das gestantes e a especificidade do serviço prestado pelas parteiras não são reconhecidas ou permitidas.

O mesmo relatório aponta que a Situação Mundial da Obstetrícia de 2021 do UNFPA, OMS , ICM e parceiros, que avalia a força de trabalho da obstetrícia e recursos de saúde relacionados em 194 países.

O Diretor Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que: “As enfermeiras parteiras desempenham um papel vital na redução dos riscos de parto para mulheres em todo o Mundo, mas muitas delas mesmas foram expostas ao risco durante a pandemia COVID-19″.

A Diretora Executiva do UNFPA, Natalia Kanem, por sua vez, deixa o alerta: “Uma parteira, capaz e bem treinada, pode ter um impacto enorme nas mulheres grávidas e em suas famílias, um impacto muitas vezes transmitido de uma geração para a outra”.

Os dados do estudo realizado para o relatório da ONU, publicado em Dezembro, dão suporte ao apelo de longa data da OMS para fortalecer a força de trabalho da obstetrícia, o que pode proporcionar o triplo das condições para uma melhor saúde, igualdade de género e crescimento económico inclusivo.

A ONU alerta para o facto de as questões relacionadas com desigualdade de género não serem tidos em conta na análise dessa enorme escassez de profissionais especializados. As mulheres representam 93 por cento das parteiras e 89 por cento das enfermeiras.

Perante esta realidade, Franka Cadée, Presidente da ICM, sublinha que: “Como prestadoras de cuidados primários autónomas, as parteiras são continuamente esquecidas e ignoradas. É hora dos governos reconhecerem as evidências em torno do impacto dos cuidados conduzidos pelas enfermeiras parteiras na promoção e na salvação de vidas, e tomar medidas com base nas recomendações do relatório da Situação Mundial da Obstetrícia de 2021.

Além da assistência aos partos, estas profissionais prestam também cuidados pré-natais e pós-natais e uma variedade de serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo planeamento familiar, detecção e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis e serviços de saúde sexual e reprodutiva para adolescentes, ao mesmo tempo em que garantem cuidados respeitosos e defendem os direitos das mulheres.

Para que as parteiras atinjam seu potencial de salvar e mudar vidas, é necessário um maior investimento na sua educação e treinamento, prestação de serviços conduzidos por parteiras e liderança em obstetrícia. Os governos devem priorizar o financiamento e o apoio à obstetrícia e tomar medidas concretas para incluí-las na determinação das políticas de saúde

O lançamento do relatório 2021 “State of World’s Midwifery”, inclui recomendações de políticas para melhorar a prestação de serviços de saúde sexual, reprodutiva, materna, neonatal e adolescente e a liderança e governança da obstetrícia. Estas recomendações de política serão o assunto de uma reunião de ministros da saúde em 18 de maio e um diálogo na 74ª Assembleia Mundial da Saúde (24 de maio), onde os Estados Membros da OMS deverão adotar as Orientações Estratégicas Globais para Enfermagem e Obstetrícia baseadas em evidências 2021 -2025 com uma Resolução sobre enfermagem e obstetrícia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies