Fome está a solta há dois anos

0
Foto: DR

Por: Manuel Ngunza

A meta número dois dos Objectivo de Desenvolvimento Sustentável, é Fome Zero, mas as estatísticas contrariam a vontades. De zero para cerca de 800 milhões em todo o mundo.

A covid-19 atirou para o limiar crítico da fome mais 132 milhões. Segundo dados da FAO que assinala nesta sexta-feira, o dia Mundial da Alimentação, o mundo corre o risco de não atingir mais o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável, número 2, sobre Fome Zero.

Este é o resultado do relatório sobre o Estado da Segurança Alimentar e da Nutrição no Mundo de 2020, lançado está semana, em Roma.

O dia 16 de Outubro marca o dia da fundação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, em 1945.

A celebração do Dia Mundial da Alimentação foi estabelecida em Novembro de 1979 pelos países membros na 20ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Neste dia realizam-se muitas actividades relacionadas com a nutrição e a alimentação, com a participação de cerca de 150 países, incluindo Angola.

A data visa alertar para a necessidade da produção alimentar e reforçar a necessidade de parcerias a vários níveis, bem como consciencializar para a problemática da fome, pobreza e desnutrição no mundo.

Estima-se que o número de habitantes do planeta vai ultrapassar os nove bilhões de pessoas em 2050 e que a produção mundial de alimentos vai ter de aumentar em 60% para conseguir dar resposta às necessidades alimentares da população mundial.

Marta Loneke é Educador Social, falando em exclusivo para o Repórter Angola, recordar que em 2019, dois bilhões de pessoas (pouco menos de 30% do total) não tiveram acesso regular a alimentos seguros, nutritivos e suficientes. Com certeza, nesse ritmo, o Objectivo Fome Zero (isto é, o plano lançado em 2015 pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas com o intuito de acabar com a insegurança alimentar até 2030) não será alcançado, disse.
Neste particular, a FAO tem a mesma interpretação e, acredita que, se a tendência actual continuar, em 2030 o número de pessoas desnutridas poderá ultrapassar 840 milhões, ou seja, 9,8% da população que se estima viverá no planeta daqui a dez anos.

No cenário apresentado no relatório da ONU, mais uma vez surgem graves desigualdades geográficas. Os dados relativos às crianças menores de cinco anos são emblemáticos: por um lado, o número assustador de crianças malnutridas (144 milhões, 21,3% do total em nível mundial), por outro, de crianças obesas (mais de 38 milhões, 5,6%).

A também Docente Universitária, reconhece que “o sucesso da iniciativa depende de inovação e investimento para acelerar a transformação agroalimentar e o desenvolvimento rural sustentável, especialmente em países onde as capacidades nacionais e o apoio internacional são limitados ou onde a população é vulnerável a desastres ou conflitos naturais”.

Em mensagem, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a conclusão do relatório era clara. Segundo ele, “se a tendência anual não for revertida, o segundo Objectivo de Desenvolvimento Sustentável, Fome Zero, não será alcançado até 2030.” Para o chefe da ONU, “a transformação tem de começar agora” e, por isso, ele está a marcar um Encontro de Cúpula sobre Sistemas Alimentares para 2021.

O Director-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Genebra, Tedros Ghebreyesus, disse que agência recebeu marca recorde de novas contaminações no domingo com 230 mil casos; Américas concentram metade de todas as infecções com Covid-19; mais de um milhão de pessoas morreram da doença e mais trinta e sete milhões foram infectadas.

O relatório da ONU ressalta a evolução dos países lusófonos em várias áreas, como desnutrição e obesidade, entre os períodos de 2004-2006 a 2017-2019.

Angola reduziu a percentagem da população com desnutrição de 52,2% para 18,6%.
No Brasil, 4,1% da população era desnutrida em 2004-2006, a taxa baixou para menos de 2,5%. Já a obesidade, por outro lado, passou de 20,1% para 22,1%. A pesquisa estima que os custos de saúde relacionados com a obesidade no país devem passar de US$ 5,8 bilhão em 2010 para US$ 10,1 bilhão em 2050.

Em Moçambique, a insegurança alimentar teve uma ligeira descida de 33,4% para 32,6%. ​​​​Em Cabo Verde, a insegurança alimentara aumentou de 11,1% para 18,5%, no mesmo período, e a obesidade cresceu de 10,3% para 11,8%.

O país de língua portuguesa no sudeste da Ásia, Timor-Leste, conseguiu reduzir a insegurança alimentar de 32,3% para 30,9%, mas a obesidade teve leve alta de 2,9% para 3,8%. Em São Tomé e Príncipe, a fome aumentou 9,2% para 12%, e o mesmo aconteceu com a obesidade, que afecta agora 12,4% dos adultos contra 10,7%, no passado.

Segundo o relatório, uma mudança global para dietas saudáveis ajudaria a combater o problema da fome e custaria menos dinheiro.

Em 2030, os custos de saúde associados a dietas não saudáveis devem chegar a US$ 1,3 triliões por ano. Já o valor social relacionado às emissões de gases de efeito estufa, estimado em US $ 1,7 triliões pode ser reduzido em quase 75%.

A Ásia continua acolhendo o maior número de desnutridos, 381 milhões, seguida pela África, 250 milhões, e América Latina e Caribe, 48 milhões. Em termos relativos, existem grandes disparidades regionais. A África é a área mais atingida e o fosso está aumentando, com 19,1% de sua população desnutrida. O valor representa mais que o dobro da taxa na Ásia, 8,3%, e América Latina e no Caribe, 7,4%. Se a tendência continuar, em 2030 o continente africano terá mais da metade de todos os casos de fome crónica do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.