O país cabe aqui.

Economista Daniel Sapateiro destaca sucesso da venda de acções do BAI

0

O economista Daniel Sapateiro considerou hoje a venda de acções do BAI um dos momentos mais importantes do sector financeiro em Angola no último ano.

No webinar “Bolsa de Valores e compra de acções do BAI”, o especialista insistiu também na importância da educação financeira para entender a complexa dinâmica dos investimentos no mercado de acções.

Numa live por Instagram conduzida pelo gestor de investimentos Euclides Francisco, o economista Daniel Sapateiro considerou que a Oferta Pública de Valores (OPV) de 10% das acções do BAI, em Maio deste ano, foi um dos momentos que definiu “o que pode vir a ser o Mercado de Valores Mobiliários de Angola”. “Foi o primeiro banco a aventurar-se nesta viagem”, sublinha.

Como recordou, o BAI lançou a OPV sobre a participação de 10% que a Sonangol e a Endiama detinham até então na instituição, num processo que permitiu um encaixe de mais de 40 mil milhões de kwanzas.

“O BAI é o maior banco em Angola, dos que mais tem crescido e que se internacionalizou com o BAI Cabo Verde e BAI Europa”, aponta. “É um banco com profissionais muito comprometidos com o crescimento da instituição”, o que “transmite segurança” e “leva a pensar que vai ter resultados líquidos positivos e que vai querer agradar aos investidores, distribuindo dividendos no futuro”.

Esta perspectiva, considera, poderá estar na base da grande procura durante a OPV, que “superou 158 vezes a oferta” estabelecida em 1 milhão 945 mil acções (dos 2852 investidores que mostraram interesse, apenas 842 foram contemplados). Durante o webinar, o economista realçou também a valorização das acções do BAI desde a OPV em Maio, dos 20.640 Kz para os actuais 31.850 Kz.

Reconhecendo “o sucesso” deste processo, ao qual se seguiu a colocação de mais acções ordinárias do BAI na Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA), Daniel Sapateiro alertou que, apesar da valorização das acções do banco, “este mercado não é para imediatistas” que esperam “dividendos e lucros rápidos a curto prazo”. Numa mensagem aos novos investidores, alerta: “É importante saber o que quero como accionista. Sou accionista porque quero ter um pé de meia? Isso é muito viável num banco como o BAI. Mas se quero ter lucro rápido, então este não é o lugar indicado”, avisa.

Para lidar com “um mercado complexo” e “altamente psicológico, emocional e especulativo“, Daniel Sapateiro apela a quem pensa investir na bolsa a reforçar a “educação financeira”, como forma de capacitação não só sobre a dinâmica do mercado de acções mas também sobre questões como a distribuição de dividendos ou a relevância dos pequenos accionistas nas decisões das instituições.

Por último, o economista deixou um conselho: “Há que ter em conta que as acções não são o preço de compra, mas o que podem valer como parte de um valor muito maior, que é o da instituição (…) Pensem em ser accionistas pelo menos por três anos, pensem nisso como um activo que faz parte da vossa vida e que podem inclusive deixar como herança às gerações vindouras, recordando sempre que este caminho é longo e de constante aprendizagem”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies