O país cabe aqui.

Confusão com o Guetho Zouk “É Importante separar as águas”

0



Por: Ernesto Gouveia

“Temos, muitas vezes, confundido a Kizomba com Guetto Zouk. Na América não conseguem diferenciar isso”, com esta afirmação, num tom preocupante, Tanya Fiske entende que está aí uma das razões que motivam a criação de eventos, tais como os festivais, em que a Kizomba deve ser percebida de modo pedagógico para que sejam evitados equívocos. 

A avalanche de americanos a ganhar interesse pela Kizomba deve, para a professora de dança, estar em paralelo com a explicação de que existem outros gêneros resultantes da Kizomba como é caso do Guetho Zouk. 

” Muitos americanos, e não só, dizem que é a mesma coisa. Nesse aspecto temos a necessidade de explicar que não é a mesma coisa”, exorta a entrevistada.

No que toca as definições e à pesquisa, para a entrevistada, a coisa está mais do que claro e destaca a figura de Pedro Vieira Dias “Petchú”, uma pessoa que considera ser a responsável pela sistematização do estilo de dança nos seis diferentes modos e estilos, sem deixar de olhar para o papel que este professor tem no processo de expansão da dança pelo mundo. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies