O país cabe aqui.

Compramos marcas, não commodities

0

Por: Olívio dos Santos

O conceito de marca, não é novo, remonta a antiguidade, quando os escultores assinavam suas obras para salvaguardarem a identidade do autor. Já naquela época, tinha-se conhecimento de que a assinatura/marca influenciava substancialmente no preço final da mercadoria, diferente das que não a tinham.

De acordo com Philip Kotler (2000), considerado pai do marketing moderno, entende que marca pode ser um nome, um termo, um sinal, um símbolo ou ainda a combinação desses elementos, cujo o objectivo é identificar produtos ou serviços de uma empresa ou conglomerado de empresas, a fim de diferenciá-los da concorrência. Ao passo que commodities é uma expressão inglesa para se referir à todo bem ou produto de origem primária que oscila de preço com base à Bolsa de Valores, que para o caso em questão, são produtos ou serviços que não agregam valor aos seus públicos, nomeadamente interno e externo. Entretanto, apesar de ainda existir certa resistência em se aceitar que “compramos marcas, não commodities”, mas, aos poucos, vamos tendo evidências para este facto. Pois, desde os tempos remotos, o ser humano tende justificar suas acções de forma racional, enquanto as toma emocionalmente.

No processo da compra, para ser mais específico, segundo estudiosos da Neurociência, apesar do Neocórtex “comandar” o pensamento racional, analílitico e a linguagem; somos motivados essencialmente pelo Sistema Límbico, sendo responsável pelos sentimentos, comportamentos e pela tomada de decisão. Seguindo esta premissa, compreende-se que o ser humano é 90% emocional. Esta revelação joga por terra a tese das empresas que centralizam a comunicação no produto, porque essa forma de comunicar não desperta nos consumidores sentimentos, tais como: bem-estar, confiança, coragem, segurança, entre outros, que estimulam o comportamento da compra.

A pergunta que talvez o leitor esteja a fazer é a seguinte: como transformar uma commodities em uma marca? Por mais complexa que possa parecer, a resposta é bastante simples: investir numa comunicação de marca. Porque “o mercado não é mais um lugar em que se vendem produtos ou serviços apenas, mas, sim, um lugar em que os sentidos, as percepções, os valores são tangibilizados na forma de produtos. O produto, em si, desloca-se para um papel secundário, funcionando como base para que a marca possa se realizar” (Moreira, 2007).

 Para melhor entendermos a comunicação de marca, trago, como exemplo, a Coca-Cola, a Nike, a Apple, a Harley-Davidson, a Sanlam, só para citar alguns. Os seus consumidores não compram o produto em si, mas a filosofia que a marca se reveste ao longo dos anos, que se transformou, para eles, em símbolos com significados tangíveis para cada um. Este é o sucesso da comunicação de marca, que possui o poder de transformar commodities em marcas mundialmente “veneradas”, com a comunicação focada no relacionamento com os diversos públicos.

Contudo, centralizar a comunicação no produto é o mesmo que construir uma residência na areia, o sossego é derrubado com a chegada da tempestade; mas investir na comunicação de marca é igual ao que constrói a residência na rocha, mesmo batendo a tempestade, o sucesso continuará sendo uma certeza.

Consultor de Comunicação Integrada

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies