Cemitérios reduzem número diário de funerais devido a covid-19

0
Foto: Nambi Wanderley

Por: Nambi Wanderley

O surgimento da pandemia do novo coronavírus no país, trouxe consigo uma nova forma de viver e encarar a vida em comunidade, a qual o povo angolano, teve que adaptar-se, partindo do confinamento, ao encerramento de cultos religiosos, até a redução drástica do número de pessoas em cortejos fúnebres.

Os cemitérios do Benfica e da Camama, em Luanda, são normalmente muito frequentados e tiveram uma redução drástica no número de pessoas permitidas a assistirem as cerimónias fúnebres, que não podem exceder de 50 cidadãos, para mortes que não sejam causadas pela covid-19, no horário compreendido entre às 8 e 13 horas.

As mortes provocadas pela covid-19, as cerimónias fúnebres devem ser realizadas no período da tarde, com um número de acompanhantes não superior a cinco pessoas.

De acordo com Ventura Handanga, Administrador adjunto do Cemitério do Benfica, o número de funerais realizados no local, teve uma grande diminuição, passando de uma média de 30 funerais, para um número entre os 10 e os 15 funerais por dia.

Sobre a realização de funerais das duas vítimas da covid-19, Ventura Handanga, explicoou que nenhuma das duas foi sepultada no cemitério do Benfica.

A adopção obrigatória das medidas de biossegurança, como a existência de dispositivo com para a lavagem das mãos com água e sabão ou do álcool gel, logo à entrada, o uso de máscaras de protecção e o cumprimento da distância de um metro entre cada cidadão, são outras medidas que se observam no diploma.

Já o administrador adjunto do cemitério da Camama Jaime Benticão, aponta ser obrigatório o cumprimento das medidadas de biossegurança antes da entrada no cemitério, os cidadãos devem fazer-se acompanhar com o uso de máscaras, bem como a lavagem das mãos e a entrada de grupos restristo de 50 pessoas.

“Nesta fase estamos a realizar de 15 a 18 funerais por dia”, indagou.

Por outro lado, Jaime Benticão, demonstrou-se preocupado, uma vez que, “a população infelizmente não quer acatar as recomendações estabelecidas por lei e parece que a mesma não reconhece a gravidade desta doença, por vezes aparecem funerais com um número acima das 50 pessoas”.

António Chipalavela, que acompanhava um funeral no cemitério da Camama, mostrou-se satisfeito com as medidas de prevenção observadas no local e exaltou o bom funcionamento do cemitério nesta altura.

Com efeitos negativos que pandemia teve sobre vários sectores, a floricultura, não ficou isenta, Feliciana Baltazar, florista, declarou que tem tido dificuldades para aquisição de flores naturais no exterior, mas apesar disto, os preços não sofreram alterações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.