O país cabe aqui.

Angola e a Oratória, minha visão sobre o futuro

0

Por: Camilo Lemos


Diariamente, recebo preocupações de pessoas que sentem na pele o medo de falar em público, entretanto, pessoas que já falam pouco se oferecem para um treinamento de Oratória. Em causa, justificam, está o facto de já estarem a enfrentar algum público.

Meu Deus! Será o falar em público a prova suficiente para deixar de frequentar um treinamento de Oratória!?

Se essa fosse a razão, confesso, não teríamos no mercado tanta gente aborrecida com a prestação de muitos oradores.

Mais do que falar em público, não seria ideal questionar o como falamos?

Isto abre ala para o entendimento daquilo que Angola vai exigir nos próximos tempos, provavelmente até, não distante do presente.

Veja: boa parte dos angolanos, senão a maioria, aprendeu aceitar numa verdade com base a imposição de um regime, das suas necessidades manipuladas, e aprendeu a aplaudir até as coisas que o prejudicam. Assim, formamos, durante muito tempo, pessoas que não precisavam de rigor na comunicação para convencer o público. Bastava apenas falar com um ar de arrogante e citar o nome do chefe para todo mundo seguir. Os discursos nunca foram, necessariamente, a única via para as pessoas deixarem-se convencer. Ninguém questionava, todos fomos obrigados a seguir e mais nada.

Os “oradores” abraçavam e como ainda continuam abraçando os aplausos como um reconhecimento da sua eloquência por parte do público. Entretanto, de uma coisa é certa: as salvas de palmas também têm o seguinte significado: obrigado por terminar, não víamos a hora de nos livrarmos de si. Uau, já terminou, graças a Deus, que coisa horrível.

Há uma corrente criada- e vejo isto nas palestras e grupos das redes sociais, empresas- de oradores que se auto-bajulam, público que elogia até coisa que bem sabe que está ou foi mal e colaboradores obrigados de dizer sim ao discurso do chefe , com receio de ser mal visto…

Não quero passar a imagem de que eu sou bom, aliás, é por estar consciente das minhas fraquesas que, diriamente, procuro desenvolver teorias de Oratória que me facilitem falar técnica, persuasiva e despreocupadamente quando me dirijo a um público.

Afinal, eu tenho uma dificuldade: desde que aprendi e passei a ensinar às pessoas sobre falar de improviso, já não consigo preparar as minhas abordagens… Por isso é que não falarei de uma área de conhecimento que eu não entenda e não consiga criar conteúdos próprios…

A bajulação inseminada leva a que muitos oradores não se desenvolvam, conquanto, o público vai mudar e tanto empresas, organizações entre outras forças vivas da sociedade passarão a exigir demais dos oradores para aceitarem as suas ideias. Então, neste momento, o mercado vai separar o trigo do jóio.

A pergunta é: Até lá, você estará pronto para dizer, eu falo em público mesmo quando, repentinamente, sou levantado da cama?

De uma coisa tenha a certeza: os homens que aprenderem a falar em público defacto, serão priorizados em todos campos da vida. Já foi e é assim noutras partes do Mundo, mas em Angola, isto vai se viver. Então, você perguntará: “Porquê tive de colocar um travão de mão a mim mesmo para não fazer, antes, a formação de Oratória?

Não tenha medo de gastar dinheiro, faça a sua formação. Há muitos lugares por aí a ensinar as pessoas a falar em público.

Se optar por nós, saiba que responderemos com a mesma confiança.

Perfil

Camilo Lemo É especialista em Comunicação e Oratória, actualmente trabalhe como Assessor de Comunicação da Fundação Arte e Cultura e Galeria Tamar Golan


Os artigos de opinião publicados no Notícias de Angola são da inteira responsabilidade do seu autor. O NA não se responsabiliza por quaisquer danos morais ou intelectuais dos textos em causa, confiando no rigor, idoneidade e credibilidade dos seus autores.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies