O país cabe aqui.

Dissonância na comunicação de marca da banca

0

Como o Oriente está longe do Ocidente, assim é a distância entre a imagem de marca projectada por alguns bancos comerciais e a imagem percebida pelo cliente comum que recorre aos serviços dos balcões.

Neste texto propõem-se medidas para alinhar os atributos, benefícios, valores, cultura e personalidade da marca com o público interno e consequentemente com o cliente, por causa das experiências desconfortáveis geradas por agências bancárias nos respectivos balcões.

Os bancos comerciais são instituições que dependem da confiança dos seus clientes. Apesar da crise, é dos poucos segmentos que não para de investir na sua comunicação comercial, institucional e na sua comunicação de marca.

Esta aposta  na comunicação não é só para aparecer bem na fotografia! A banca tem consciência de que a comunicação é a sua principal aliada na geração de sentimentos de pertença, confiança e segurança no cliente. Sabe também, que para despertar estes sentimentos, deve recorrer às mais variadas técnicas da comunicação, sendo a comunicação de marca, a que está na moda.

Toda acção comunicativa de marca persegue dois grandes objectivos: identificar-se no mercado e diferenciar-se da concorrência. No processo de identificação, a marca não visa  criar algo de novo na mente do seu público, no entanto busca identificar-se com assuntos de interesse  do público de forma estratégica, visando a garantia de um lugar íntimo e especial no coração do indivíduo-alvo, de sorte que, a marca seja percebida como “parente” do cliente.  

“Foi com este sentimento que tirei um dia de férias para renovar o cartão multicaixa. Lá, um operativo disse-me que não havia sistema. Desiludido, decidi regressar à casa. Até que uma jovem que aguardava pelo retorno do sistema ao sol, movida pela empatia, perguntou-me: moço vai levantar ou fazer depósito? Respondi: Quero tratar o cartão multicaixa! Ela disse: não tem sistema para levantamento nem para depósito. Mas, para cartão multicaixa, tem. Quando pedi satisfação ao segurança, atirou-me logo a culpa. Dentro, havia outra fila, porque não havia fichas. Foi muito desconfortável e revoltante quando vi utentes a entrar e não ficavam na fila e o pessoal do balcão, indiferente, atendia-os normalmente. Até que em uníssonos clamamos por justiça de sorte que a segurança interveio, recordando o pessoal do balcão sobre os procedimentos de atendimento e restabeleceu-se a justiça. Foi uma experiência desagradável. Na ocasião, a imagem de marca criada com base nos conteúdos mediáticos sobre a instituição caiu por terra, por causa desta experiência”!

Pelo exposto é evidente que a banca investe muito na comunicação externa, esquecendo-se, em grande medida, da interna. Os trabalhadores pareciam não ter noção dos significados que a empresa emite para fora, sobre tudo, no quadro da comunicação de marca. Foi então que surgiu a seguinte questão: como a equipa que trata da comunicação de marca deve proceder para alinhar os atributos do “brand equity” com o público interno?

Para alinhar os atributos do “brand equity” com o público  interno é preciso adoptar uma estratégia comunicacional com enfoque no Jornalismo Empresarial enquanto uma ferramenta eficaz na promoção das políticas e ideologia da empresa por meio da combinação dos interesses da empresa e do público interno.

O impacto do Jornalismo Empresarial na comunicação interna de qualquer organização é positivo, por proporcionar um ambiente mais interactivo e coeso, capacitando os envolvidos para melhor perceber o meio e o contexto em que estão inseridos.

A estratégia para influenciar a visão da imagem de marca do público interno passa pela adopção da Propaganda, que por meio do editorial, artigos de opinião, coluna, dossiê, análise e da publicidade numa publicação interna pode muito no alcance dos objectivos definidos no quadro de um plano estratégico resultante de um prévio diagnóstico.                  

A percepção que se tem quando se vai à uma agência, do segurança ao pessoal do balcão, é de que a disposição destes não está virada para a procura de solução do problema do cliente. E a causa deste problema não está somente na eventual falta de comunicação interna, a questão é mais complexa. A liderança pode mitigar esta situação, dado que a tomada de consciência dos colaboradores sobre o valor do cliente para a organização é a solução para proporcionar experiências agradáveis e dignas de louvor.

Como seria tão bom testemunhar um colaborador a manifestar os valores mais elementares da sua empresa como, por exemplo, no atendimento ao cliente, respeitando, no mínimo, a ordem de chegada! Este acto geraria no próximo cliente da fila um sentimento de valorização, respeito e justiça. Seria o cumprimento da promessa da marca na dimensão dos valores, na vida real!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies