O país cabe aqui.

Angola e Alemanha promovem cooperação no campo do Hidrogénio Verde

0
Notícias de Angola

Angola colheu na quinta-feira (12), em luanda, o primeiro Simpósio sobre Hidrogénio Verde, um evento que pretendeu oferecer uma visão geral das perspectivas para o hidrogénio verde e suas implicações para o comércio global de energia e os potenciais de cooperação entre a Alemanha e Angola.

Por: Dorivaldo Caetano

O Simpósio, que decorreu de forma presencial e online, foi presidido pelo Ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, que na sua intervenção referiu que o desenvolvimento de novas fontes de energia limpas, ou seja, renováveis, mais sustentáveis, onde se enquadra o “Hidrogénio Verde”, está alinhado com os objectivos da estratégia da transição energética, em execução, sob coordenação do Ministério da Energia e Águas. O Governante afirmou que a cooperação com a Alemanha neste domínio abre grandes oportunidades sobre a produção de conhecimento científico e permitirá a transferência de tecnologia para alavancar a economia em angola.

O Chefe do Gabinete Alemão-Angolano do Hidrogénio, Vandré Spellmeier, na apresentação da iniciativa H2 Diplo – Angola, disse que este é um programa de diplomacia global de Hidrogénio, e que faz parte de uma iniciativa do Ministério Federal Alemão das Relações Exteriores. Actualmente, disse o responsável, existem seis Gabinetes H2 Diplo instalados no mundo, com destaque para Nigéria e Angola, tendo manifestando o seu agrado por Angola ser escolhido como um parceiro para implantar esta iniciativa.

Sabe-se que dentre os principais objectivos deste programa destacam-se o apoio a um diálogo internacional sobre o hidrogénio neutro em carbono, em especial em países exportadores de combustíveis fósseis, como é o caso de Angola; Identificar oportunidades e desafios do Hidrogénio Neutro em carbono para o desenvolvimento económico e no desenvolvimento industrial; Bem como promover intercâmbio sobre as estratégias de descarbonização e a promoção de promoção de H2 neutro.

Com a transição energética em curso ao nível global, desta cooperação, a Alemanha poderá apoiar Angola na transição de combustíveis fósseis, como por exemplo, hidrogénio para exportação ou até mesmo para o consumo local, assim como Angola poderá apoiar Alemanha a cumprir com os seus objectivos de descarbonização pela utilização de hidrogénio como fontes de energias renováveis, salientou Vandré Spellmeier, Chefe do Gabinete Alemão-Angolano do Hidrogénio.

A H2 Diplo em Angola, embora seja um projecto com um cunho de diplomacia, o objectivo se prende em incentivar o sector privado, por isso estão previstos encontros de trabalhos com os ministérios de tutela das áreas de intervenção, produção de documentos estratégicos e estudos, bem como eventos de diálogo público, referiu o Chefe do Gabinete Alemão-Angolano do Hidrogénio.

O encontro contou com as presenças do Ministro da Energia e Água, Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, do Director Geral das Relações Exterior da República da Alemanha, Embaixadores de ambos os países, representantes dos corpos diplomáticos, empresas do sector de recursos minerais, petróleo, energia e água e de parceiros sociais.

Por ocasião do discurso de encerramento, o Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, disse que ao diversificar as fontes de energias em Angola, o Estado angolano, em cooperação com parceiros alemãs incentiva a prosperidade e cria uma base para o crescimento socioeconómico sustentável no futuro.

Na ocasião, tiveram igualmente o uso da palavra, o Ministro da Energia e Águas de Angola, João Baptista Borges, o Embaixador da República Federal da Alemanha em Angola, Stefan Traumann, o Director-geral de Política Climática Externa, Economia e Tecnologia, Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, Oliver Rentschler, o Especialista Sénior em Economia Internacional de Hidrogénio, Jan Frederik Braun, o perito da Miranda & Associados, Nuno Antunes, o Executivo Sénior do Ministério Federal de Assuntos Económicos e Acção Climática da Alemanha, Kai Ulrich, Jane M. Olwoch, do Centro Científico da África Austral para Mudanças Climáticas e Gestão Adaptativa da Terra (SSASCAL), Centro de Coordenação H2-Atlas-África para a SADC, entre outras individualidades que prestigiaram o painel de discussão, num evento promovido pela Delegação da Indústria e Comércio Alemão em Angola e o Gabinete Alemão-Angolano do Hidrogénio.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies