O país cabe aqui.

Analisada a nova proposta de lei para recuperação de empresas

0
Notícias de Angola

Por: Victória Pinto

Foi analisada pelo Conselho de Ministros no último fim-de-semana, em Luanda, a Proposta de Lei que aprova o Regime Jurídico de Recuperação de Empresas da Insolvência.

A proposta estabelece os mecanismos legais indispensáveis à recuperação de créditos e declaração de insolvência de pessoas singulares e colectivas em situação economicamente difícil ou insolvência iminente.

Numa altura em que a crise assola o país e o número de empresas que fecham ou decretam falência vem crescendo, o diploma que será enviado na próxima semana a Assembleia Nacional, permitirá a melhoraria da segurança jurídica e celeridade processual em matéria de recuperação de empresas e insolvência e a existência de procedimentos de reestruturação de empresas economicamente viáveis em detrimento da mera recuperação de créditos.

Em declarações à imprensa e de acordo a informação disponibilizada no Jornal de Angola, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, afirmou que a Proposta de Lei representa um passo importante na adequação do quadro legal existente ao actual tratamento dado ao direito da insolvência e favorece a melhoria do ambiente de negócios nos seus mais variados níveis.

De acordo com Francisco Queiroz, a ausência da Lei, ao longo de muitos anos, colocou o país numa posição desconfortável na avaliação do “Doing Business” do Banco Mundial e que, uma vez aprovada, vai favorecer competitividade internacional e promover uma gestão eficiente das empresas.

“Esta Lei privilegia a recuperação de empresas em dificuldade em detrimento da insolvência. Quando uma empresa está em dificuldades, a primeira coisa a fazer é recuperá-la para que continue a cumprir a função social, que é garantir emprego, produzir riqueza e salvaguardar a necessidade dos sócios e credores”, esclareceu.

Francisco Queiroz, que foi peremptório em afirmar que a Lei só vai funcionar se houver um ambiente adequado ao nível dos tribunais, com realce para a celeridade processual. O ministro falou na possibilidade de se analisar, no futuro, sobre que entidade deverá fazer a gestão da recuperação de empresas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies